Quais os principais concursos em 2018 e como se preparar para eles?

Há momentos na trajetória das pessoas que é preciso mudar as perspectivas e buscar novos desafios para conseguir maior qualidade de vida, saúde, bem-estar, valorização profissional e, consequentemente, uma boa remuneração.

Quem se propõe a realizar um concurso público sabe que terá um longo caminho pela frente, com muita dedicação e foco para que, dessa forma, as metas sejam atingidas e o sonho da estabilidade comece a se tornar algo real.

No entanto, para alcançar os objetivos, é preciso ter plena consciência de que será necessário se preparar e enfrentar barreiras, até pelo nível de concorrência encontrada, pois são milhares de pessoas que querem as mesmas oportunidades.

Pensando nisso, preparamos este guia completo com tudo o que você precisa saber sobre os concursos em 2018, mostrando desde as descrições até dicas práticas para usar no dia da prova. Acompanhe!

Confira os 6 principais concursos públicos de 2018

Antes de tudo, é preciso se programar com antecedência independentemente do período do ano, afinal, os estudantes que costumam ter organização e um planejamento bem definido, se dão bem na hora de realizar testes, independentemente do tipo de prova. Portanto, se no ano que vem você fará seu primeiro concurso, atente-se a estas informações:

1. Agência Brasileira de Inteligência (ABIN)

Conforme consta na portaria 227, regulamentada pelo Ministério do Planejamento, um novo concurso da ABIN terá edital aberto até janeiro do próximo ano, sendo que a meta é proporcionar pelo menos 300 vagas com remuneração até 16 mil reais.

Serão ocupadas:

  • 20 vagas para os cargos de Agente da Inteligência, sendo a formação necessária o ensino médio completo;
  • 220 vagas para Oficial de Inteligência cuja formação exigida é de nível superior;
  • 60 vagas de Oficial Técnico de Inteligência, com exigência do nível superior nos cursos: Administração, Arquitetura, Arquivologia, Ciências Contábeis, Comunicação Social (enfoque em Jornalismo ou Publicidade e Propaganda), Direito, Economia, Educação Física, Engenharia Civil ou Elétrica, Estatística, Pedagogia, Psicologia, Serviço Social e Tecnologia da Informação.

O órgão responsável por organizar as provas será o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), ou, como a maioria das pessoas conhecem, a banca Cespe/Unb. É importante lembrar que os concursos da ABIN costumam cobrar algumas informações e habilidades para o processo de admissão, como:

  • avaliação escrita;
  • uma investigação social sobre a pessoa;
  • avaliações psicológicas e médicas;
  • provas de capacitação física e aprovação no Curso de formação em Inteligência (CFI) para alguns cargos.

2. Superior Tribunal Militar (STM)

A Justiça Militar é considerada a mais antiga do Brasil, tendo mais de 200 anos na especialidade de julgar crimes cometidos pelos militares, previstos no Código Penal da instituição.

A proposta é abrir o concurso com 41 vagas entre os cargos de Técnico Judiciário e Analista Judiciário para as áreas administrativas e, naturalmente, judiciárias. A remuneração pode chegar até 11 mil reais e as provas serão aplicadas em todas as capitais do país, mas também em Bagé-RS, Juiz de Fora-MG e Santa Maria-RS. Além disso, os níveis exigidos para os cargos são ensino médio e superior completos.

O edital está previsto para ser lançado em dezembro e a banca Cespe seria a organizadora, porém, devido a uma rescisão amigável de contrato no dia 31 de outubro deste ano, será aberta uma nova licitação para definir qual empresa gerenciará o concurso do STM.

Sobre as fases de avaliação, normalmente são provas objetivas com 120 enunciados eliminatórios e classificatórios, distribuídos em 70 questões sobre conhecimentos específicos e outras 50 sobre conhecimentos básicos.

Outro ponto também cobrado que preocupa bastante os concurseiros é a redação para concurso, texto dissertativo de no máximo 30 linhas para o candidato mostrar argumentos plausíveis sobre o assunto determinado no edital.

3. Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH)

Concurso organizado pela empresa mineira Consulplan (Consultoria e Planejamento em Administração Pública LTDA.), conta com 102 vagas e remuneração de até 8 mil reais segundo o edital que consta no site, sendo que, dentre essas vagas, existe a seguinte distribuição numérica:

  • Técnico de enfermagem – 1 vaga;
  • Técnico de Saúde bucal – 2 vagas;
  • Técnico de Segurança do Trabalho – 2 vagas;
  • Técnico Legislativo II – 57 vagas;
  • Analista de Tecnologia da Informação na área de Desenvolvimento de Sistemas – 1 vaga;
  • Analista de Tecnologia da Informação na área de Infraestrutura de Sistemas – 1 vaga;
  • Arquivista – 2 vagas;
  • Consultor Legislativo na área de Administração Pública, Orçamento e Finanças – 4 vagas;
  • Consultor Legislativo na área de Ciências Sociais e Políticas – 2 vagas;
  • Consultor Legislativo na área de Saúde Pública – 1 vaga;
  • Coordenador do Processo Legislativo – 11 vagas;
  • Dentista – 2 vagas;
  • Engenheiro Civil – 2 vagas;
  • Médico Clínico – 1 vaga;
  • Procurador – 8 vagas;
  • Psicólogo na área Clínica – 1 vaga;
  • Psicólogo na área Organizacional – 2 vagas;
  • Redator – 2 vagas.

Com relação às provas, a Consulplan estipulou a data de aplicação para o dia 18 de Fevereiro de 2018, com duração mínima de 2 horas e a máxima de 5 horas, sendo que, tanto nas provas objetivas quanto nas discursivas, dominar o português para concurso é um fator indiscutível para conquistar a tão sonhada aprovação.

Nas provas objetivas, são atribuídos dois pontos para cada questão correta, sendo o formato de múltipla escolha com quatro alternativas. Já nas provas discursivas, a correção terá um peso maior e será multiplicada por três.

É preciso deixar claro que: os candidatos com nota inferior a 50% na soma dos pontos da prova objetiva ou soma menor do que 20% em cada conteúdo e menos de 50% da pontuação total na prova discursiva estarão eliminados automaticamente.

Como a carga horária de trabalho na CMBH é de apenas 6 horas, é possível a conciliação com outros afazeres no dia a dia, como continuar os estudos e planejamentos para tentar outros concursos públicos, já abrangendo uma boa experiência.

4. Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP)

Até a segunda quinzena de dezembro está previsto o anúncio no site da Fundação Vunesp — banca organizadora do certame do TJ-SP — um novo edital para a vaga de Escrevente Técnico Judiciário, que contemplará cidades da 2ª até a 10ª região, que correspondem ao interior e litoral de São Paulo.

São 335 vagas disponíveis no concurso público, sendo que o salário inicial ultrapassa 6.000 reais. O nível de formação pedida para desempenhar as funções inerentes ao cargo é de, pelo menos, nível médio.

As pessoas que conseguirem aprovação devem trabalhar com algumas atividades como:

  • dar andamento aos processos de cunho administrativo e judicial;
  • saber organizar os serviços referentes às funções de suporte administrativo e técnico nas unidades do Tribunal;
  • conferir e elaborar os mais variados documentos;
  • fazer atendimentos internos e externos etc.

A última prova voltada para o TJ-SP foi realizada em julho deste ano e contou com 100 perguntas de múltipla escolha entre as disciplinas de Direito Penal, Processual Penal, Processual Civil, Constitucional, Administrativo, Língua Portuguesa, Atualidades, Informática, Matemática, Raciocínio Lógico e sobre as normas da Corregedoria Geral da Justiça.

5. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA)

A expectativa de milhares de candidatos é grande para as 680 vagas como: Técnico Ambiental, Analista Administrativo e Ambiental. Afinal, o último concurso do IBAMA foi realizado apenas em 2012 e contou com 108 vagas.

É importante salientar que o Instituto encontra-se em um déficit de servidores, devido ao grande número de concessões para aposentadoria de funcionários da organização. Portanto, um novo concurso será fundamental para suprir as vagas prioritárias, sem que o planejamento estratégico seja afetado negativamente.

A banca organizadora ainda está indefinida para a liberação do edital, mas, tendo em vista as edições anteriores, a probabilidade de ser a Cespe é bem grande, pressupondo um bom preparo para fazer a prova.

A formação escolar mínima solicitada para concorrer aos cargos mencionados são os níveis médio e/ou superior, com remuneração que pode chegar até 8 mil reais para desempenhar funções relacionadas aos assuntos que contemplam o meio ambiente e, consequentemente, sua proteção.

Vale lembrar que para os cargos de Analista geralmente são solicitadas provas objetivas que medem os conhecimentos básicos e específicos dos candidatos, além de uma terceira prova discursiva que engloba a redação. Já para os Técnicos, são aplicadas apenas as provas objetivas.

6. Ministério Público da União (MPU)

Um dos concursos mais esperados e com seu certame praticamente definido para 2018, as provas serão direcionadas para cargos de Técnico com exigência de ensino médio completo e Analista, pedindo nível superior.

O edital provavelmente será emitido pela banca organizadora no ano que vem, por isso é importante que os concurseiros intensifiquem seus estudos caso queiram esses cargos, até porque para conseguir a aprovação em concurso público precisa empenho e dedicação muito antes que as informações sobre as datas das provas sejam liberadas.

Não há informações concretas quanto ao número de vagas disponíveis, todavia, no último certame, organizado em 2013, foram 147 no total, sendo 38 para Analistas e 109 para Técnicos.

Sobre a remuneração, é possível ter uma leve ideia baseada nos padrões da MPU, ou seja, deve chegar em torno de 12 mil reais de salário para quem conseguir a aprovação. Em relação aos conhecimentos e habilidades para os tipos de provas, podemos considerar que os seguintes assuntos merecem uma atenção redobrada na hora de estudar:

  • Língua Portuguesa;
  • Noções de Informática;
  • Legislação aplicada ao MPU;
  • Direito Constitucional;
  • Direito Administrativo;
  • Direito do Trabalho;
  • Direito Civil;
  • Direito Processual Civil;
  • Direito Penal;
  • Direito Processual Penal;
  • Direito Penal Militar;
  • Direito Processual Penal Militar;
  • Ética no Serviço Público;
  • Raciocínio Lógico;
  • Administração Geral;
  • Administração de Recursos Materiais.

O concurso não teve edital disponível este ano por conta das limitações impostas pela nova proposta orçamentária para os próximos anos, com isso o certame foi adiado e com a probabilidade de ser organizado novamente pela banca Cespe.

Aprenda 5 dicas para se preparar para um concurso

Apenas se inscrever para um concurso e esperar o dia de fazer a prova é algo muito superficial, para passar na frente da concorrência, que geralmente é bem acirrada, é preciso se dedicar bastante! Para isso, algumas dicas devem ser levadas em consideração:

1. Tenha organização

Parece óbvio, mas algo que vale a pena enfatizar e mostrar para quem pretende ingressar na área pública é que será necessário ter todo um planejamento muito bem definido.

Comece já pelo ambiente de estudos, pois o ideal é ter um lugar limpo e que ofereça tranquilidade para concentrar-se apenas no que está estudando, de preferência longe de interferências externas.

Além disso, uma dica é planejar exatamente qual será sua rotina de estudos, pesando desde nas matérias e horários aos quais se dedicará até os recursos disponíveis para isso, como vídeoaulas, apostilas, podcasts etc.

2. Resolva vários exercícios

Não basta decorar algum assunto que possa cair nas provas, para ter um bom desempenho é preciso entender os conceitos e o porquê de cada tipo, assunto e forma de estudo.

Normalmente, em concursos públicos, o conteúdo apresentado é reincidente de outros anos. Dedicar-se para a resolução de vários enunciados de provas anteriores é uma ótima escolha, muito recomendada por praticamente todos os professores de cursinhos, afinal, assim você se familiariza com os tipos de provas aplicadas e formas de cobrança dos exercícios.

Além disso é preciso ter atenção sobre que é cobrado no edital e sempre estudar além do que está sendo pedido, evitando surpresas negativas no dia da prova.

3. Atente-se às notícias

Esse ponto será primordial para se dar bem nas provas discursivas e, principalmente, na redação. Estar de olho no que acontece no Brasil e no mundo confere um nível de argumentação melhor para lidar com os mais variados assuntos, um recurso necessário para discorrer sobre o tema proposto.

No entanto, selecione bem os canais de informação que pretende acompanhar, escolha jornais e revistas de credibilidade e evite passar muito tempo com a TV ligada, pois acaba sendo uma brecha para procrastinar e não querer estudar.

Também é essencial prestar atenção ao que é colocado nos sites das bancas organizadoras, se antecipando a qualquer mudança que aconteça na prova e, assim, não “dar asas” para especulações que possam confundir muitos candidatos.

4. Mantenha a confiança

Dentro de uma preparação para provas importantes como a de um concurso público, é bom ter o equilíbrio e a paciência necessários para chegar no dia do teste e desempenhar o melhor de si.

A confiança é um fator que diferencia pessoas preparadas de outras que ainda não sabem o que querem, afinal, para ter uma boa pontuação é preciso acreditar que fez um bom ciclo de estudos e se dedicou o suficiente para chegar até aquele momento.

É importante desconsiderar comentários alheios negativos, principalmente nos momentos em que familiares, conhecidos e vizinhos geram uma pressão ainda maior nos candidatos, por isso releve quaisquer comentários descrentes sobre seus esforços e perspectivas.

5. Estabeleça prioridades

Para alcançar qualidade de vida e estabilidade profissional que um cargo público pode proporcionar, é inevitável fazer escolhas ao longo da jornada, pois isso ajudará a ter o foco que precisa para seguir sua rotina de estudos.

Por mais tentadoras que as baladas, festas, reuniões entre amigos e várias outras situações possam ser, infelizmente você terá que ser um pouco antissocial e recusar convites que serão feitos pelos próximos meses. Alguns dirão que você mudou e que está com atitudes chatas e paranóicas sobre a prova, ou que estudar tanto é uma tremenda besteira, mas, assim como foi dito na dica anterior, releve essas questões em prol dos seus objetivos.

Entenda o porquê de fazer um curso preparatório para concursos

Se inscrever em um concurso público, independentemente de qual seja, é uma decisão que requer investimentos, seja de tempo ou recursos complementares para garantir um estudo completo e brigar de igual para igual com os demais candidatos que concorrerão pela mesma vaga.

Dentre esses recursos, investir em um curso preparatório é uma ótima opção para desenvolver a expertise necessária na hora de fazer a prova com calma, concentração e sabendo exatamente do que se trata cada assunto.

Muitas pessoas que optam por estudar sozinhas acabam, em determinado momento, não tendo a disciplina necessária para manter o caminho dos estudos. Além disso, contar com incentivos de outras pessoas e conviver com alguém com os mesmos objetivos que você pode ser uma grande motivação.

O investimento que vai direcionar para alcançar a meta estipulada esbarra no orçamento disponível. Portanto, é muito importante pesquisar e considerar cursos que ofereçam melhor custo-benefício, investindo no acompanhamento ideal para os estudos e, ao mesmo tempo, não comprometendo tanto o bolso.

Podemos dizer que um curso desse tipo torna-se complementar para ajudar a resolver questões mais complicadas ou facilitar o entendimento de algum conceito. Ou seja, uma forma de analisar as matérias de maneira mais dinâmica e eficiente para guardar de vez o que está estudando.

Claro que fazer um curso preparatório não é garantia de que haverá sucesso nas provas, até porque isso está ligado diretamente ao empenho dos candidatos. Porém, oferecerá um bom diferencial, como as dicas úteis de professores com larga experiência em concursos públicos.

Use estas 4 dicas para os dias de prova dos concursos

Eis que o grande dia está chegando e, para quem não tem a “manha” de muitos concurseiros, atentar-se aos detalhes é de suma importância para conseguir um bom desempenho, principalmente na véspera da prova e durante. Por isso, confira estas dicas fundamentais para se sair bem:

1. Verifique o que é permitido levar

Para não correr o risco de ser eliminado no dia da prova por desatenção com detalhes descritos nos editais, sempre confira as informações passadas pelas bancas organizadoras, principalmente com relação ao que levar no dia.

Normalmente é preciso separar um documento de identificação, de preferência o RG ou outro com foto para conferir os dados com fiscais de sala antes do início, caneta esferográfica de cor preta e nada de relógio ou celular na hora de entrar na sala, tudo será devidamente confiscado por normas de segurança.

2. Saiba se alimentar

Essa é uma dica que vale tanto antes como durante a prova, pois a alimentação é um ponto crucial para que o candidato consiga se sair bem e resolver enunciados complexos que exijam uma atenção maior.

A forma como se alimenta pode definir até mesmo o humor no dia do certame, por isso invista em comidas leves e saudáveis para manter o organismo em equilíbrio e conseguir se concentrar. Tente consumir frutas e verduras, evitando alimentos que contenham glúten ou gordura trans.

3. Preste atenção no tempo

Mesmo sem o relógio pessoal, os fiscais seguem como padrão o ato de colocar uma marcação com o tempo restante de prova fixado em algum ponto da sala, avisando os candidatos sobre a duração. Sendo assim, programe-se para resolver os enunciados a partir daquela contagem.

Separe bem o seu tempo para responder cada questão, um diferencial para conseguir pontos preciosos especialmente nas provas discursivas. Além disso, procure resolver primeiro as perguntas que tem mais certeza da resposta. Afinal, se for uma prova da Cespe em que uma resposta errada anula outra certa, essa dica valerá 2 vezes mais!

4. Leia mais de uma vez

É sempre importante reler os enunciados das questões, pois muitas vezes a resposta para estava embaixo do seu nariz e, por distração, acabou passando despercebida em uma leitura rápida e desatenta.

Na parte em que é exigido o conhecimento da Língua Portuguesa, por exemplo, a interpretação de texto é essencial em boa parte dos conteúdos, avaliando se os candidatos fizeram uma boa leitura e interpretação do que foi escrito, usando a lógica entre as duas habilidades para encontrar a resposta certa. Para matérias de exatas, a interpretação é necessária para identificar valores oferecidos no enunciado e que, provavelmente, serão usados para encontrar o resultado, garantindo maior nota final.

Para finalizar, é necessário ter em mente que a perseverança é fundamental na vida de um concurseiro, portanto pegue todas essas dicas e procure dar o seu melhor em busca da aprovação nos concursos em 2018!

Então, o que achou deste guia completo? Quer receber mais conteúdo como esse? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades sobre concursos públicos. Bons estudos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.