Português para concursos: entenda a importância de ter uma boa pontuação

É comum que, durante a rotina de estudos, os candidatos a algum cargo público deem preferência às disciplinas específicas do concurso em que se inscreveram em detrimento da língua portuguesa. Isso ocorre porque eles acreditam que não é necessário focar os estudos em sua língua nativa.

O problema é que, segundo pesquisas realizadas por grandes jornais do Brasil, o índice de reprovação em português e redação chega a 70% nos concursos públicos.

Diante desse dado, fica evidente que a língua portuguesa não deve ser subestimada, não é mesmo?

Portanto, se você quer evitar o risco de não ser aprovado no certame dos sonhos, aprender um pouco mais sobre português para concursos é fundamental.

Está pronto para valorizar a aprendizagem da sua língua materna? Então acompanhe o nosso post!

Por que estudar português para concursos?

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa, apenas 8% dos brasileiros são proficientes em língua portuguesa. Ou seja, apenas 8 pessoas em um grupo de 100 têm capacidade para se expressar e compreender textos mais complexos, como artigos ou editoriais de jornal.

Embora esses dados não sejam uma novidade para os professores de português do país, eles continuam pegando muitas pessoas de surpresa. Entre elas, os concurseiros, que só percebem a falta de conhecimento na língua quando o resultado de uma prova chega.

Segundo a especialista em concursos públicos, Lia Salgado, ignorar a língua portuguesa em prol de outras disciplinas é o maior erro que um candidato pode cometer, pois ela está presente em todos os concursos públicos, chegando a ter peso 2 em alguns.

Dessa forma, o candidato que tem um desempenho ruim em português pode acabar perdendo sua aprovação ou até mesmo a vaga para um concorrente, já que a matéria costuma ser critério de desempate.

É por isso que se dedicar aos estudos da nossa língua materna é tão importante quanto estudar as matérias específicas de cada edital. Afinal, quem garante um bom resultado nas provas de português sai na frente em comparação aos outros candidatos.

Quais são as principais matérias exigidas nas provas de língua portuguesa?

Durante a preparação para uma prova é necessário verificar o edital para ter conhecimento do conteúdo que será cobrado em cada disciplina.

Contudo, quando se trata da língua portuguesa, as questões sempre se concentram na interpretação de texto e na morfossintaxe.

É importante ressaltar que não costumam ocorrer variações de conteúdo de um edital para o outro. A divergência se resume à complexidade dos enunciados e profundidade da matéria cobrada.

Sendo assim, quando for estudar português, comece pelas questões de compreensão textual e pela gramática básica.

O roteiro ideal de estudos segue uma ordem específica, veja:

  1. fonologia — ortografia, acentuação e estudo dos fonemas (sons das palavras);
  2. morfologia — compreende-se aqui o estudo das 10 classes de palavras (artigo, adjetivo, numeral, substantivo, pronome, advérbio, preposição, conjunção, interjeição e verbo);
  3. sintaxe — estudo dos termos da oração (termos essenciais, termos integrantes e termos acessórios.), nexos oracionais, pontuação, regência, concordância, crase;
  4. semântica — conotação, denotação e polissemia;
  5. estilística — figura de linguagem e funções de linguagem.

É fundamental que você siga esta ordem, pois toda a matéria de português está interligada.

Então, mesmo que você sinta que não precisa estudar um assunto, volte a ele e faça uma revisão. Estudar corretamente a matéria será o diferencial para conquistar a aprovação.

Lembre-se de resolver questões ao início e fim de cada item, certo? Resolver questões antes de começar a estudar um tópico ajudará você a entender quais são suas dúvidas e, ao fim, contribuirá para a fixação do conteúdo que você acabou de estudar.

Quais são os principais erros cometidos nas provas de português?

Interpretação de textos e enunciados

Muitos candidatos fazem uma leitura superficial da prova, leem rapidamente o enunciado de uma questão e acabam sem conseguir compreender a sua totalidade.

Uma boa forma de evitar esse problema é fazer marcações na prova. Assim, o enunciado fica mais claro, o que garante o entendimento completo da pergunta.

Ortografia

Para algumas bancas, errar a ortografia de palavras indica a falta do hábito de leitura do candidato e pode causar a sua desclassificação.

Para evitar erros ortográficos, o candidato deve dedicar uma parte do seu dia à leitura de qualidade. Assim, acabará se familiarizando com a ortografia correta das palavras e seus erros começarão a se dissipar.

Uso da crase

É comum encontrar nas provas de português questões que abordam o uso da acentuação, em especial da crase (fusão da preposição a com o artigo feminino a), que ainda confunde muita gente.

Para tentar evitar o emprego errôneo da crase, professores dão a dica: substitua a palavra feminina que vem após a suposta crase por uma masculina. Caso a preposição ao apareça, a crase deve ser usada. Confira:

Refiro-me a aluna. / Refiro-me ao aluno.

Como a preposição ao apareceu após a substituição de aluna, a crase será utilizada em Refiro-me à aluna.

No entanto, é preciso estar atento, pois nem sempre esse macete funciona, e as bancas organizadoras se aproveitam disso. Portanto, o ideal é que o candidato revise seu material sobre crase para entender quando ela é ou não usada.

Emprego de pronomes oblíquos átonos

O emprego dos pronomes oblíquos, como me, te, se, lhe, nos, vos, o, a, lo, la, los, las, no, na, nos e nas aparecem constantemente nas provas em forma de “pegadinha”.

Portanto, fique ligado na sua utilização, nada de confundir a norma padrão (diga-me) com a norma popular (me diga).

Concordância verbal

A concordância verbal ainda deixa muita gente na dúvida, haja vista que a flexão correta dos verbos deve concordar com o sujeito em número e pessoa.

Nas provas, é comum encontrar questões em que candidatos devem assinalar qual das formas propostas é adequada à norma padrão.

Por exemplo: “Precisam-se de empregados” ou “Precisa-se de empregados”?

Acerta quem responde “Precisa-se de empregados”, já que a partícula se opera como indicador de indeterminação do sujeito (quem precisa? não se sabe) quando o verbo não pede complemento direto. Assim, para que o verbo apareça com a concordância adequada, ele deve ficar na terceira pessoa do singular.

Como se preparar para a prova de português?

Para se preparar para a prova de português é imprescindível aprender a identificar seus erros, seguir um roteiro de estudos que compreenda todo o conteúdo programático e organizar seu tempo adequadamente.

Contudo, se você sente dificuldade para estudar a língua portuguesa sozinho, buscar a orientação de um profissional será fundamental para que você consiga atingir os melhores resultados.

A título de exemplo, imagine que você domina os conceitos de língua portuguesa, mas não sabe como aplicá-los. Uma oficina com enfoque na resolução de questões lhe ensinará a colocar seu conhecimento em prática.

Assim como a oficina de língua portuguesa utilizada no exemplo anterior, existem diversas outras voltadas para concursos públicos. Em cada uma delas é possível focar na resolução de um déficit específico com o auxílio de profissionais capacitados.

Entendeu a importância de estudar português para concursos? Então continue com a visita em nosso blog, leia o texto “Concurseiro: Você cuida da sua alimentação? Veja as melhores dicas!” e fique por dentro de como uma alimentação inadequada pode afastar você da tão sonhada aprovação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.