CESPE: tire suas dúvidas e domine essa banca!

Conhecer o estilo da banca é o diferencial para você conquistar a sua vaga no serviço público, no entanto, será primordial saber o estilo de cobrança, os assuntos recorrentes, as pegadinhas e os tipos de questão.

Não é à toa que a banca CESPE/UNB é uma das mais temidas pelos candidatos e, ao mesmo tempo, uma das principais organizadoras de concursos públicos do país. Boa parte das questões exige muito mais dos participantes do que apenas o básico.

Como é o estilo da banca?

CESPE é o nome popularmente dado ao Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos, uma instituição que tem a responsabilidade de cuidar de todo o processo de organização de concursos, elaborar o formato de prova aplicada, emitir os editais, fazer as devidas correções, dentre outros pontos importantes.

Sem dúvida, é uma das bancas que têm as questões mais bem elaboradas e formuladas do país, pois prioriza o candidato que se dedica inteiramente aos estudos, que sabe ler e interpretar as questões de maneira consciente, ou seja, aquele que não se contenta apenas com a popular “decoreba”.

A forma mais tradicional de cobrança é o modelo “certo” e “errado”, em que uma alternativa errada anula uma certa. Dessa forma, a pessoa tem que ter certeza da resposta, para não chutar e perder pontos relevantes para a nota e, principalmente, para alcançar a vaga que almeja.

As provas costumam ser bem desgastantes e, da maneira que são elaboradas, não dá uma margem de segurança para os concurseiros terem uma leve ideia se foram bem ou não ao término de resolver as questões, pois há estudantes que acharam ter ido relativamente bem e foram mal e vice-versa.

Geralmente, a prova objetiva p2 tem um peso maior do que a prova objetiva p1, entretanto, existem exceções, porque ambos os modelos podem não ter nenhuma diferenciação em relação ao quantitativo de pontos. As provas discursivas também influenciam bastante na pontuação dos candidatos.

Por isso, é necessário que o candidato fique atento ao que consta no edital. Dessa maneira, quando não existem diferenças, a pessoa precisa estudar todas as disciplinas em um nível praticamente parecido, até para evitar qualquer tipo de surpresa. Confira as melhores dicas para você gabaritar redação cespe/unb!

Quanto tempo de prova?

Einstein diria que o tempo é relativo e que tudo depende do referencial em que o mesmo esteja sendo medido; já Platão acreditava que o tempo tinha uma essência cosmológica e que era proveniente da criação de um ser divino, e Aristóteles tinha plena convicção de que a noção de tempo é parte integrante do Universo.

Ciência e Filosofia à parte, para os candidatos que estão realizando a prova, o tempo vai variar conforme aquela pessoa se sente preparada e tranquila para responder as questões, porque, para alguns, pode sobrar, e para outros o tempo ser torturante.

É de extrema importância que os candidatos verifiquem os editais para saber qual será o tempo de prova exigido para aquele concurso específico que será prestado. A seguir, veja 12 exemplos de algumas especificações acerca do assunto para determinadas vagas:

  • Cargo de Soldado Combatente para a Polícia Militar do Estado de Alagoas (2017) — prova com duração de 3 horas e 30 minutos;
  • Cargos de Especialista em Assistência Penitenciária, Agente Penitenciário e Técnico de Apoio à Assistência Penitenciária para o Departamento Penitenciário Nacional (2015) — tempo de prova foi de 4 horas e 30 minutos, para níveis médio e superior;
  • Cargos de nível Médio e Superior para a Agência Nacional de Telecomunicações (2014) — tempo de prova para candidatos de nível médio foi de 3 horas e 30 minutos; já para candidatos de nível superior, foi de 5 horas e 30 minutos;
  • Cargo de Auditor Federal de Controle Externo para o Tribunal de Contas da União (2015) — tempo de prova foi de 5 horas para níveis médio e superior;
  • Cargo de Técnico Federal de Controle Externo para o Tribunal de Contas da União (2015) — tempo de prova foi de 3 horas para níveis médio e superior;
  • Cargos de Analista e Técnico Judiciários para o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (2017) — tempo de prova foi de 4 horas para níveis médio e superior;
  • Cargos de Analista e Técnico do Seguro Social para o Instituto Nacional do Seguro Social (2016) — tempo de prova foi de 3 horas e 30 minutos para níveis médio e superior;
  • Cargo de Diplomata organizado pelo Instituto Rio Branco (2017) — tempo de prova foi dividido em dois períodos no mesmo dia, sendo de manhã e tarde e ambos tendo 3 horas de duração;
  • Cargos de Auxiliar de Legista, Auxiliar de Perito, Perito de Papiloscopista, Médico Legista e Perito Criminal para o Grupo Ocupacional Policial Científico da Secretaria de Defesa Social do Estado de Pernambuco (2016) — tempo das provas objetivas foi de 5 horas, no entanto, as discursivas tiveram 4 horas de duração para níveis médio e superior;
  • Cargo de Praça Bombeiro-Militar Músico para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (2011) — tempo de duração da prova foi de 3 horas e 30 minutos para níveis médio e superior;
  • Cargo de Procurador para a Prefeitura Municipal de Salvador (2015) — tempo de duração da prova foi de 5 horas para níveis médio e superior;
  • Cargos de Analista e Técnico Judiciário para o Tribunal Regional do Trabalho (2016) — tempo de duração da prova foi de 4 horas para níveis médio e superior.

Portanto, a duração das provas vai variar de acordo com os níveis de escolaridade exigidos, os cargos que estão sendo colocados à disposição, o nível de competências esperado para um determinado cargo e se a prova será objetiva ou discursiva.

As únicas recomendações que são comuns para todos os concursos é que os candidatos compareçam com uma hora de antecedência em relação ao início das provas, sendo que só podem sair depois do tempo estipulado como mínimo em cada exame. Portanto, fique de olho nessas informações.

Como são as questões?

Nos modelos tradicionais de certo e errado, o candidato não pode responder à pergunta por eliminação, ou seja, é essencial dominar o conteúdo e ter conhecimento sobre o assunto que está sendo abordado.

Essa é uma maneira que a banca CESPE encontrou para privilegiar as pessoas que não respondem pelo acaso ou chutam. Desse modo, decorar uma matéria pode ser uma estratégia errada, e por isso é necessário buscar um entendimento e compreender o assunto que está sendo visto.

Além disso, a banca costuma misturar os assuntos nas questões, isto é, o candidato pode estar no momento de resolução de uma questão de raciocínio lógico que tenha como exemplo um artigo da Constituição Federal.

A interdisciplinaridade é um dos principais métodos de cobrança da banca e tende a favorecer os candidatos que realmente dominam o assunto, sendo assim, se você for fazer um concurso elaborado pela organizadora, vai ter que se dedicar bastante a seus estudos.

Nos tipos de questão tradicionais, a pessoa tem três escolhas: marcar certo, errado ou deixar em branco, e, no caso da CESPE, se você não dominar o assunto, o mais indicado é que deixe a questão em branco, porque não vai ganhar ou perder pontos.

Dentre as áreas fundamentais que caem na maioria dos concursos públicos, estão Direito Administrativo, Direito Constitucional, Informática, Raciocínio Lógico e a temida Língua Portuguesa, fator preponderante para que um concurseiro possa se dar bem numa prova da CESPE.

Os estudantes não têm a certeza do número de questões que farão em cada disciplina, até porque a banca só costuma detalhar o número total de perguntas das provas básicas e/ou específicas. As provas objetivas costumam ter entre 100 e 200 questões, no entanto, isso pode variar conforme o concurso.

O que é preciso para evitar perder pontos?

É primordial ler com atenção cada pergunta e ter em mente que, em determinadas questões, pode ser cobrado que se assinale a resposta correta, e em outras é pedido para assinalar a resposta incorreta em relação ao que foi descrito no enunciado.

Para garantir uma boa pontuação, é de suma importância que você responda primeiro àquelas perguntas de cujas respostas você tenha plena certeza, isto é, os conteúdos mais familiares à sua compreensão.

Se você tem dificuldades em alguma área específica, deixe-a por último, pois isso evitará um desgaste logo de início e que pode ser crucial na hora de administrar o tempo para resolver cada pergunta apresentada na prova.

Recomenda-se deixar a parte dos cálculos por último, pois costuma demandar um certo tempo de cada candidato, por mais que você tenha facilidade com a área de Exatas. Isso pode atrapalhar a estratégia que foi determinada ainda no plano de estudos.

Deixar de responder algum enunciado é uma das táticas para não perder pontos nos modelos de certo e errado, no entanto é preciso dosar isso, para não ficar a impressão de que não se sabe absolutamente nada da prova. Por isso, essa opção deve ser usada só no caso de dúvida extrema — você não quer arriscar errar e perder pontos preciosos, não é verdade?

Por mais que tenha estudado por dias a fio, aceite que errará questões, afinal, nem os primeiros colocados conseguem gabaritar as provas (pelo contrário, o máximo que os melhores conseguem é alcançar 80%, até pelo nível de dificuldade, que é marca registrada desse tipo de banca).

Leia e releia cada questão, porque, em muitas oportunidades, a resposta de uma pode aparecer no enunciado da outra, então, se você já tem consciência disso, as chances de gastar menos tempo em uma questão tornam-se maiores.

Ao final da prova, caso seja o modelo de certo e errado, sempre compare a quantidade de vezes que você marcou um ou outro, porque, normalmente, as provas pela banca CESPE costumam ter as respostas bem divididas entre um e outro, isto é, 50% do exame estará como certo e o resto, consequentemente, como errado.

Como treinar para a prova?

Uma das vantagens da prova da banca CESPE é que existem várias questões espalhadas pela internet para você treinar e aprender o conteúdo dos mais diversos assuntos, havendo opção de baixar PDF, ver videoaulas, apostilas, dentre outras.

No próprio site da CESPE, existe a opção de fazer o download de provas anteriores. Todas estão devidamente à disposição dos candidatos que querem se preparar para algum concurso.

Assim, você conhecerá mais do estilo de perguntas e poderá dominar os temas que serão essenciais para que consiga resolvê-las. Para isso, dedique-se a estudar provas anteriores por assunto e marque o seu percentual de acertos em cada uma, pois conseguirá fazer as métricas do seu desempenho.

Saber o nível do que estará no enunciado já é meio caminho andado para ter um planejamento de estudo mais eficiente, sendo assim, confira o que cada disciplina costuma cobrar na maioria das vezes:

Língua Portuguesa

Em português para o CESPE, os principais conteúdos cobrados são: fonologia, acentuação gráfica, denotação, conotação, funções dos termos “que” e “se”, dificuldades semânticas, entre outros.

Se esse é seu primeiro concurso, saiba que essa prova te cobrará mais com relação a assuntos que envolvam interpretação e análise textual, sendo que, em vários momentos, serão notadas situações pontuais com relação à parte gramatical, e boa parte delas pode ter uma “pegadinha”.

Ou seja, se você não tem o costume de ler e não dispõe de paciência, vai ter sérias complicações em uma prova desse tipo, pois notará que os textos costumam ser extensos e, propositalmente, abrangentes.

A abordagem tende a ter um pensamento mais moderno com relação às visões linguísticas, sendo que os textos selecionados para fazer parte dos enunciados têm como características ser de autores já conhecidos e com os temas mais comentados na atualidade.

Artigos jornalísticos que trazem questões comuns à sociedade, como Política, Cotidiano e Economia, estarão ali para que você consiga discernir a parte ortográfica, principalmente quanto à acentuação de palavras.

Raciocínio Lógico

Em Raciocínio Lógico, a banca privilegia a cobrança de temas relacionados ao silogismo, modelo de raciocínio que se baseia em deduções entre premissas estipuladas e que resultam em uma conclusão, e ao uso de preposições.

É importante que os candidatos estejam atentos a esses tipos de enunciados, porque uma palavra mal interpretada pode custar a pontuação naquela questão. Sempre repare nos dados que foram expostos e perceba aquilo que não foi dito e que você, consequentemente, acabou subentendendo, afinal, nem tudo que reluz é ouro, não é mesmo?

É provável que você encontre questões em que deverá ser apontada a negação de uma frase contendo termos como “todo”, “nenhum”, “algum”, “existe”, “alguém”, etc. Se você não estiver prestando atenção à leitura, pode acabar se perdendo em perguntas como essas.

Um exemplo disso, para ficar mais claro, é que, se você encontrar uma afirmativa em que “todo X é Y”, naturalmente, as negativas para uma condicionante como essa seriam:

  • Existe X que não é Y;
  • Algum X não é Y;
  • Nem todo X é Y;
  • Pelo menos um X não é Y.

Já com relação ao Raciocínio Lógico Matemático, em uma análise de provas anteriores, você observará que os assuntos mais cobrados são problemas aritméticos, conjuntos, problemas geométricos, matriciais, análise combinatória e probabilidades.

Direito Administrativo

É uma área que visa regular as atividades da Administração Pública, isto é, organizando as obrigações e direitos dos servidores públicos, seus afazeres e as aplicações jurídicas dos mesmos.

Nas provas de Direito Administrativo, a banca CESPE cobra muito as interpretações doutrinárias, análises de situação, jurisprudência, súmula e direito constitucional, sendo que o foco principal são as interpretações do Superior Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e também uma compreensão analítica da legislação brasileira.

Logo, não tente apenas decorar a Lei Seca, por exemplo, e sim priorizar o entendimento sobre o assunto. Além disso, ajudará bastante pesquisar e ler sobre as jurisprudências, que são as análises das leis pelos tribunais superiores.

Para quem quer ter uma noção pelo menos básica sobre o tema, deve focar, num primeiro momento, os princípios do Direito Administrativo, sendo os conceitos mais explorados os seguintes:

  • princípio da moralidade ou probidade administrativa;
  • princípio da eficiência;
  • princípio da supremacia do interesse público;
  • princípio da autotutela;
  • princípio da razoabilidade;
  • princípio da presunção da legitimidade.

Ler os livros que dizem respeito ao assunto auxilia bastante, principalmente se forem dos autores Maria Sylvia Zanella Di Pietro, professora e ex-procuradora do estado de São Paulo; Celso Antônio Bandeira de Mello, jurista e professor de Direito Administrativo; e José dos Santos Carvalho Filho, jurista, ex-membro do Ministério Público e autor do Manual do Direito Administrativo.

Direito Constitucional

Uma das disciplinas que contam com bastante peso nas provas gerenciadas pela banca CESPE. Por isso, é de suma importância que os concurseiros verifiquem as nuances da Constituição Federal e as suas implicações jurídicas.

Os assuntos que você vai encontrar com maior frequência em provas anteriores são questões sobre direitos e garantias fundamentais, Administração Pública e situações inerentes aos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.

Uma das vantagens de dominar esse assunto é que, provavelmente, você terá mais facilidade para compreender as questões de Direito Administrativo, por exemplo. Assim como o ditado popular da época do Império Romano dizia que “todos os caminhos levam a Roma”, os caminhos do Direito levam à Constituição.

Na hora de criar seu plano de estudos para algum concurso público, é fundamental que você faça a divisão dos temas, afinal, o conteúdo de Direito Constitucional é bem amplo e pode causar uma certa confusão de ideias nos candidatos.

Apesar de serem cobradas em menor escala, as questões de doutrina e jurisprudência valem muito para o entendimento acerca dessa disciplina, e sabê-las pode facilitar na hora de disputar vagas muito concorridas.

Além disso, fique de olho nas interpretações de Gilmar Mendes, ministro do STF e professor da Universidade de Brasília, do Instituto Brasiliense de Direito (IBD) e da Escola de Direito do Brasil (EDB), e de Alexandre de Moraes, também ministro do STF, jurista e professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Informática

Este é um tema que pode servir como diferencial competitivo no momento de realizar um exame de concurso público. Cada vez mais atual e presente na vida da sociedade brasileira, a Informática é importante por diversos fatores, tais como domínio de programas que remetem às atividades administrativas, por exemplo.

A cada prova, esses conceitos vão sendo cobrados com mais vigor e exigindo dos candidatos um conhecimento técnico e também, muitas das vezes, teorias e atalhos do computador.

Microsoft Office, principalmente no que tange os conhecimentos sobre Word e Excel, tem maior chance de cair nas provas organizadas pela banca CESPE, e as perguntas variam entre os níveis básico, intermediário e avançado de ambos os programas.

Os conceitos de Internet e Intranet têm aparecido com mais intensidade nas últimas provas também; além disso, vale estudar sobre Google Chrome, Internet Explorer e sistemas operacionais como Windows e Linux.

É importante que os concurseiros fiquem atentos aos enunciados sobre segurança e protocolos de Internet e seus subsistemas, por meio dos quais são tratados os assuntos referentes a ameaças, princípios básicos, proteção, etc.

Quais são os concursos de mais procura?

Um dos concursos mais aguardados pelos concurseiros é o da Polícia Rodoviária Federal (PRF), para o qual, para concorrer, é necessário ter nível superior em qualquer área e carteira de habilitação de categoria B.

A expectativa é de que o certame tenha 1.300 vagas, e a remuneração inicial para o cargo é mais de R$ 8 mil. A banca ainda não está definida, mas o último certame ocorreu em 2013 e foi organizado pelo CESPE/UNB. Há rumores de que a responsável pelo próximo concurso será a mesma.

Além disso, a expectativa é de que a banca CESPE/UNB também se responsabilize pela seleção do concurso da Polícia Federal, que já foi autorizado. A previsão é que haja mais de 1.000 vagas e oportunidades para delegado, perito e escrivão, sendo que a remuneração, dependendo do cargo, pode ultrapassar os R$ 15 mil.

Outro concurso muito aguardado e que pode ser organizado pela CESPE/UNB é o MPU, que vai oferecer cargos para nível médio e superior, e a remuneração pode chegar a mais de R$ 10 mil, dependendo do cargo — inclusive, a comissão para a realização do certame já foi organizada.

Essa banca examinadora é conhecida por organizar concursos para a Advocacia-Geral da União (AGU), Tribunal de Contas da União (TCU), Polícia Federal, tribunais de Justiça, ministérios, entre outros.

Como ir bem na prova de português e redação?

A princípio, é essencial que você tenha o hábito de leitura, pois isso conta demais em provas de português para concurso, principalmente as desse estilo de banca examinadora. Os textos serão extensos propositalmente, para ver quais são os candidatos que realmente prestam atenção aos enunciados.

Você precisa ter em mente que muitos autores lusitanos e brasileiros são citados em provas de concurso público, tais como Jorge Amado, Machado de Assis, Clarice Lispector, Eça de Queiroz, Luis de Camões, João Guimarães Rosa, entre outros.

Resolva o máximo possível de exercícios de provas anteriores, porque assim os conteúdos ficarão mais claros para sua compreensão. Questões que envolvem Gramática não podem ser apenas decoradas, mas entendidas pelo conceito, afinal, isso ajuda também a ter um bom desempenho na prova discursiva e na redação.

No momento em que estiver se concentrando em seu plano de estudos, cronometre o tempo que leva em cada questão, pois isso pode fazer a diferença na hora de otimizar quantos minutos tem para distribuir em cada enunciado e conseguir fazer uma prova com tranquilidade e sem precisar correr.

Para aqueles concurseiros que são mais auditivos do que visuais e cinestésicos, ouvir podcasts pode ser benéfico à rotina de estudos, principalmente de canais engajadores na Língua Portuguesa, como aqueles publicados pela Rádio CBN, Português com Humor e Café Brasil.

Com relação à Redação, os candidatos precisam identificar que o objetivo é mais sobre “o que escrever” do que “como escrever”, portanto, o ideal é privilegiar a justificativa das ideias, o conhecimento sobre o tema, capacidade de argumentação, conectivos, objetividade etc.

A introdução será crucial para você montar sua tese a partir do tema que foi proposto e se basear nesse pensamento para criar o desenvolvimento do seu texto, com parágrafos de tamanho parecido e entregando o que foi prometido na introdução, com uma conclusão que arremate o que foi proposto.

Entretanto, lembre-se de seguir exatamente o que a banca pede no explicativo da redação. Muitos candidatos acabam perdendo pontos preciosos por não conseguirem entender o que realmente está sendo exigido para escrever — ou seja, se a banca der uma estrutura de tópicos, por exemplo, você deve seguir a ordem à risca.

O que pode ou não ser levado no dia da prova?

Chega o aguardado momento de realizar a prova do concurso organizado pela CESPE e bate aquela dúvida sobre o que, necessariamente, deve-se levar. Por isso é tão importante ler os editais, para ter a certeza do que cada concurso vai especificar.

De uma maneira geral, caneta esferográfica preta, sendo que o tubo deve ser transparente, é o item permitido para preencher as informações solicitadas na prova e os círculos do gabarito, portanto, nada de aparecer com canetas de outras cores, lápis, lapiseira e borracha, porque são terminantemente proibidos.

Além disso, será de extrema importância você levar o seu comprovante de inscrição, para atestar que está participando desse processo seletivo e, obviamente, a identidade. Na falta da mesma, outros documentos são permitidos, mas isso, normalmente, vem descrito no edital.

Alimentar-se durante a prova auxilia o cérebro a desenvolver conexões que estimulam a memória, principalmente se forem frutas, barras de cereais, chocolate amargo, entre outros. Todavia, devem estar em um recipiente transparente, para que você evite a desclassificação.

Para não correr o risco de perder essa vaga tão almejada, saiba que alguns itens também são expressamente proibidos de portar na sala para realização da prova::

  • máquinas calculadoras;
  • telefones celulares;
  • smartphones;
  • tablets;
  • gravadores;
  • pendrive;
  • notebook;
  • relógio;
  • óculos escuros;
  • protetor auricular;
  • fones de ouvido;
  • acessórios de chapelaria.

Essas recomendações são para que não haja possibilidades de receber ou passar “cola” durante a prova. Além disso, toda saída deve ser autorizada pelos fiscais de sala e sempre haverá uma revista com detectores de metal.

Qual a importância de ter um bom plano de estudos?

Isso te ajudará a se organizar melhor na hora de traçar seu objetivo para o concurso público com relação aos estudos, pois, se tratando da CESPE, é preciso muito empenho e determinação.

A princípio, evite qualquer distração que possa te atrapalhar e, principalmente, desconcentrar, para não perder a compreensão dos temas. Afinal, alguns conceitos, especialmente os de cunho jurídico, exigem atenção redobrada.

Assim como foi dito anteriormente, fazer questões de provas já aplicadas de concurso público será importante para ter uma noção do tipo de enunciado que pode cair. Uma dica boa é sempre estudar um pouco além do que é colocado no edital. A banca CESPE é mestre em colocar informações a mais na prova, para as quais a grande maioria não se preparou.

É importante planejar a quais matérias você se dedicará primeiro, para que o conteúdo seja assimilado de maneira uniforme. Além disso, é relevante que sejam feitas pausas, para que o cérebro consiga processar as informações vistas.

Opte por lugares bem iluminados e, de preferência, sem barulhos ou ruídos, no intuito de ter um local de estudos adequado para se preparar para grandes provas.

Uma boa alimentação faz a diferença, seja antes ou durante a prova, pois isso influencia na concentração e na disposição de resolver as perguntas. Por esse motivo, evite alimentos que geralmente demoram na digestão, pois isso pode trazer complicações durante a prova, e escolha sempre aquilo que for rico em vitaminas e proteínas e que seja saudável.

Contar com o auxílio de professores é essencial para conseguir uma boa pontuação. Pessoas experientes em concursos vão te dar o direcionamento mais acertado, para que você não sofra tanto e tenha a possibilidade de se dar bem nesse certame.

É indispensável que haja com calma e serenidade para resolver as questões, por mais difícil que possa parecer. Você não vai colocar a perder todo o estudo que teve, não é verdade? Por isso, tente não estudar na véspera da prova, afinal, o esforço para compreender o assunto já teve seu momento, e revisar de última hora pode resultar naquele famoso “branco” na hora de responder.

O que achou das informações passadas neste guia completo sobre a banca CESPE? Foram úteis? Então, aproveite e não se esqueça de assinar a nossa newsletter, para ter acesso a todas as novidades sobre concursos! Bons estudos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.